Entrevista Jo Koy: Domingo de Páscoa

domingo de Páscoaatualmente nos cinemas, foi dirigido por Jay Chandrasekhar (conhecido pelo Supersoldados franquia de filmes) e escrito por Ken Cheng e Kate Angelo. Na comédia, o comediante Jo Koy interpreta um ator que recentemente passou por um azar em sua carreira e deve enfrentar uma viagem para casa para visitar sua família no domingo de Páscoa.

Jo Valencia, interpretado por Koy em seu primeiro longa-metragem, começa domingo de Páscoa hesitante em passar tempo com sua família amorosa, mas autoritária. Mas, ao longo do filme, ele aprende a respeitá-los novamente e se sente cuidado por eles – assim como o público gosta de se relacionar com diferentes personagens e suas dinâmicas. Também é estrelado por Lydia Gaston, Brandon Wardell e Eugene Cordero.

conversou com Koy sobre sua experiência em outdoors em Los Angeles, seu desejo de compartilhar sua cultura com o mundo e um de seus momentos favoritos em domingo de Páscoa.

Desabafo da tela: Cara, parabéns pelo filme.

Jo Koy: Obrigado.

Mesmo dirigindo aqui, vendo isso nos outdoors em todo lugar e nos ônibus, como é isso?

Jo Koy: Qual é a sensação? OK. Eu moro em Studio City; a montanha logo ali fora de Ventura. Viro à direita, vou para a Universal e – legal, juro, esqueci minha identidade para entrar no portão. Entro no portão e, claro, é o outdoor do Universal Gate 3. Quero dizer, o quão legal é isso? É como, “ID?”

Por favor, me diga que você usou o outdoor como sua identidade.

Jo Koy: “ID? Essa é a minha identidade.” Havia quatro deles na mesma rua. Eu continuo me beliscando.

Há tantos grampos em Hollywood. Eu tenho o Minion olhando para mim, e eu tenho Jo Koy olhando para mim no outdoor. Você é alguém que eu sinto que muitas pessoas realmente sentem que conhecem. Eu sinto que você esteve em nossas telas desde sempre; Sempre me conectei com você. Qual é a sua parte favorita deste filme que parece tão autenticamente Jo Koy? Existe uma cena em que você fica tipo, “Isso está direto da minha vida?”

Jo Koy: Eu teria que dizer a cena do karaokê. Karaokê é tão… eu digo isso no palco o tempo todo. Eu falo sobre isso. Faz parte da nossa cultura. Sempre foi assim, mesmo antes dos caros Magic Mics. Minha mãe teve todos os estágios do Magic Mic Karaoke, desde a fita cassete até o disco laser; o disco laser grande para o mini disco para o CD para agora isso. Aquela cena ali, eu fiquei tipo, “Oh cara”.

E sua música favorita é?

Jo Koy: A minha é sempre uma música R&B. É sempre uma música do Brian McKnight ou do Boyz II Men.

Este filme realmente destaca o que eu acho que todo mundo sabe sobre sua família. Todos nós temos a família mais peculiar. Eu sempre tenho essa lição quando estou namorando alguém, eu fico tipo, “Ok, você vai conhecer minha família. Isso, isso e isso vai acontecer.” Quais são as três coisas que você diria para alguém que você está trazendo para sua família pela primeira vez?

Jo Koy: Vai ser extremamente alto. É mais alto do que alto; sem motivo alto. Todos estão falando uns sobre os outros, e é assim que nos comunicamos. São três pessoas, elas estão falando umas com as outras ao mesmo tempo, e você só consegue ouvir a que faz mais barulho. É assim na minha casa.

Por fim, o que significa apenas ter isso saindo nos cinemas?

Jo Koy: É tudo. Não sou apenas eu; este filme não é sobre mim. Meu standup nem é sobre mim. Meu standup é sobre divulgar minha cultura e nossa voz. Isso é o que é isso. Antes que a representação fosse uma coisa, eu estava sempre tentando explicar para as pessoas: “Isso é apenas uma família, cara. Esta é minha mãe. Vamos lá. Como você pode não conhecer essa mãe? Esta mãe é sua mãe.”

Todos conhecemos sua mãe.

Jo Koy: Sim, ela é sua mãe. Sua mãe é igual a minha mãe. Não há diferença. É só que minha mãe é das Filipinas, mas ela está fazendo tudo que sua mãe faz. É disso que trata este filme. Quanto mais filmes pudermos fazer assim, onde é apenas sobre cultura, todos nós vamos perceber que somos todos relacionáveis.

Eu quero que a série aconteça.

Jo Koy: Vai acontecer. Eu não estou parando.

Sim?

Jo Koy: Eu não vou parar. Nós vamos, certo? A porta está finalmente aberta. Eu não estou fechando. Eu quero que mais pessoas como eu passem por isso, e elas criam. Vamos conseguir mais criadores; mais mentes lá.

Um homem volta para casa para celebrar a Páscoa com sua família turbulenta, briguenta, comendo, bebendo, rindo e amando.

Volte em breve para mais entrevistas com o elenco e a equipe de domingo de Páscoa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

aleatório

Hipoteca também é conhecida como "empréstimo garantido por casa" ou "refinanciamento de propriedade". É um tipo de empréstimo em que o devedor coloca um imóvel como garantia para garantir o pagamento da dívida.