Todos os filmes de Roger Moore James Bond, classificados do pior ao melhor

Aqui está cada James Bond filme estrelado por Roger Moore, classificado do pior ao melhor. A franquia Bond estava em um lugar perigoso quando Moore herdou o papel em 1973. Sean Connery fez do personagem um ícone, mas sua saída muito pública e brigas com os produtores da franquia deixaram o futuro de 007 incerto. George Lazenby foi o primeiro substituto de Connery para o favorito dos fãs de 1969 Ao serviço secreto de Sua Majestade mas ele saiu depois de apenas um filme. Connery foi atraído de volta por um grande pagamento por O diamante é para sempre mas deixou claro que tinha acabado. Se a estreia de Moore não tivesse agradado ao público, a série teria terminado prematuramente.

Exceto que aconteceu o contrário. Moore estabeleceu uma visão de Bond totalmente diferente de Connery. Onde o último interpretou um personagem mais fundamentado, Moore sempre procurou a piada e queria que o público se divertisse. Essa fórmula funcionou, com o ator interpretando o papel por sete filmes antes de se aposentar de Bond aos 58 anos. Críticas retrospectivas sobre a era Moore podem ser mistas, graças à sua dependência de humor pateta e vilões e subtramas estranhos. O que não pode ser negado é o charme e humor que a estrela trouxe para os filmes de James Bond, e como ele os ajudou a sobreviver e prosperar contra as probabilidades.

7. Uma Visão Para Matar (1985)

uma visão para matar o velho james bond roger moore melhor ação porque

Uma visão para uma matança foi a sétima e última vez de Moore empunhando o Walter PPK – e o filme parece tão cansado quanto o ator parece. Fora alguns pontos brilhantes como o vilão exagerado de Christopher Walken ou o tema cativante de Duran Duran, a sequência sofre de uma história não envolvente, comédia brega e um dos interesses amorosos menos atraentes de Bond. O próprio Moore rotulado Uma visão para uma matança seu menos favorito, sentindo-se velho demais para o papel e não gostando do aumento da violência, como os capangas massacrados de Walken com uma uzi durante o final.

6. O Homem da Pistola de Ouro (1974)

Bond e Scaramanga juntos em O Homem da Pistola de Ouro

A segunda saída de Moore Homem com a arma dourada quase acabou com Bond graças ao seu desempenho financeiro abaixo do esperado. O filme se beneficia muito do vilão do título de Christopher Lee, com o ator sendo carismático e ameaçador. Grande parte do filme envelheceu mal, desde o retorno do xerife JW Pepper ao tratamento de Bond às mulheres ou à narrativa não envolvente. O filme é quase salvo por um grande confronto entre Moore e Lee, mas há uma boa razão O homem da arma dourada muitas vezes tem uma classificação baixa nas listas de filmes de Bond.

5. Octopussy (1983)

Roger Moore como James Bond disfarçado de palhaço em Octopussy

Moore quase se afastou polvo, com o ator americano James Brolin na fila para substituí-lo. No entanto, o estúdio queria competir com o Bond “não oficial” de Connery Nunca Diga Nunca Mais, então Moore foi atraído de volta. Se o público tem uma imagem de um Roger Moore Bond estereotipado – cheio de duplo sentido, gadgets bizarros e vilões hammy – então polvo é provavelmente o que eles retratam. De cima para baixo, é uma aventura de espionagem boba que se recusa firmemente a se levar a sério. Na mentalidade certa, isso o torna meio divertido, enquanto tem algumas sequências legais, como uma perseguição em um trem.

4. Apenas para seus olhos (1981)

Roger Moore para seus olhos apenas James Bond Darkest Kill

Apenas para seus olhos sinalizou uma mudança na era de Moore. Suas duas saídas anteriores levaram o sucesso de Bond a novos patamares – literalmente, em Moonraker caso – mas a dependência de gadgets, efeitos especiais e esquemas de vilões destruidores do mundo ameaçaram sobrecarregar a série. Apenas para seus olhos despiu muitos desses elementos, tentando contar uma história de espionagem mais realista que ainda apresentava o salto de localização e a ação que o público gostava. Ele também apresentou a cena mais sombria de Roger Moore como Bond, onde ele executa a sangue frio um assassino, derrubando seu carro destruído na beira de um penhasco.

Isto faz Apenas para seus olhos um outlier nas aventuras de Bond de Moore. Por um lado, é facilmente o mais “realista” da corrida do ator. Ele ainda contém alguns cenários impressionantes, como uma cena de luta subaquática ou uma perseguição de esqui, mas muito Apenas para seus olhos é meio chato. Os trechos entre a ação podem ser intermináveis, enquanto Moore compartilha desastrosamente pouca química com a protagonista Carole Bouquet. Parece que há um filme melhor em Apenas para seus olhos esperando para sair, mas nunca surge completamente.

3. Moonraker (1979)

Moonraker James Bond

Moonraker é uma entrada de Bond divisiva. É visto como um nadir da série devido a ser “Bond in Space!”, ou uma das entradas mais puramente agradáveis ​​de Moore. é limítrofe Austin Powers A trama mostra Bond correndo para impedir Drax de Michael Lonsdale – um dos inimigos mais subestimados de 007 – acabando com a humanidade para iniciar uma nova sociedade no espaço. A história leva 007 da Itália para o Rio de Janeiro e – claro – para o espaço sideral. O máximo de Moonraker se desenrola como uma aventura de espionagem antes disso, dobrando a quantidade de ação e comédia, além dos cenários impressionantes do desenhista de produção Ken Adams. Bobo como o final é, ainda é um prazer culpado.

2. Viva e deixe morrer (1973)

Viva e deixe morrer crocodilos roger moore

A estreia de Moore em 007 foi Viva e Deixe Morrer (que Anthony Hopkins rejeitou) e se destacou dos filmes de Connery ao ejetar elementos como uma cena Q ou Vodka Martinis. O filme misturou uma história de espionagem com um filme de blaxploitation, que viu algumas partes envelhecerem mal; o mesmo pode ser dito de Bond enganando o Solitaire de Jane Seymour na cama. Esses elementos à parte, tem um tema incrível, apresenta uma incrível perseguição de barco e abriu caminho para a série, incluindo a primeira protagonista negra de Bond em Gloria Hendry e o único inimigo sobrenatural em Baron Samedi. O ângulo vodu também é único para a franquia.

1. O espião que me amava (1977)

James Bond vs Jaws o espião que me amava

O espião que me amava não é apenas o melhor 007 de Moore, é um dos melhores da série. O filme está repleto de momentos icônicos, desde o paraquedas Union Jack de Bond, a introdução do capanga de Bond Jaws (Richard Kiel), o tema “Ninguém faz melhor” de Carly Simon, o carro submarino de 007 e muito mais. O filme deu a Moore James Bond seu melhor interesse amoroso na agente russa Anya (Barbara Bach) e a recepção do filme garantiram que o personagem sobrevivesse, após a decepção de O homem da arma dourada. O espião que me amava é a tempestade perfeita de tudo o que funcionou na era de Roger Moore.