O final do convite explicado

Na maior parte de seu tempo de execução, O convite apresenta como um evento isolado em que um grupo de amigos foi atraído por uma mãe enlutada e seu novo parceiro para que eles possam ser assassinados ritualisticamente. À medida que a noite avança e os hóspedes da casa são reduzidos em uma série de ataques, a tensão aparentemente gira em torno das tentativas dos sobreviventes de escapar da casa em que ficaram presos. Tudo o que os convidados precisam fazer é sobreviver o tempo suficiente para encontrar uma saída, e então eles estarão seguros – ou assim eles pensam. A verdadeira reviravolta de 2015 O convitefinal de (que não tem relação com o filme de 2022, O convite) é muito mais enervante e complicado.

Conforme escrito por Phil Hay e Matt Manfredi, a maior parte da tensão no filme vem em duas ondas: primeiro, o mal-entendido inicial, depois o desespero dos convidados para evitar seu destino. É um filme complexo e em camadas, e o final de O convite vê todos os seus elementos entrelaçados virem à tona em um final arrepiante que ainda tem o público falando sobre isso anos após seu lançamento em 2015. Aqui está O convite final explicado, desde o significado por trás dele até por que é tão eficaz.

Para que realmente foi a festa do convite?

Para a primeira metade do filme, o divorciado Will (Logan Marshall-Green, recentemente conhecido por interpretar Philip no thriller da Netflix) Lou), sua nova namorada Kira (Emayatzy Corinealdi) e outros convidados Tommy (Mike Doyle), Miguel (Jordi Vilasuso), Ben (Jay Larson), Claire (Marieh Delfino) e Gina (Michelle Krusiec) acreditam erroneamente que eles simplesmente foi convidado para um jantar estranho. Desde o início, as circunstâncias são incomuns e um pouco macabras. Eles estão todos procurando se reconectar com Eden (Tammy Blanchard) após seu divórcio de Will após a morte de seu filho Ty, bem como sua tentativa de suicídio. Nos dois anos que se passaram desde que todos se viram, Eden encontrou um novo parceiro, David (Michiel Huisman), e fez um par de amigos estranhos, Pruitt (Histórias de terror americanas John Carroll Lynch) e Sadie (Lindsay Burdge) – todos contribuindo para a sensação de desconforto que permeia a primeira metade do filme. Há um sentimento inegável de que algo não está muito bem com as festividades da noite.

Esse elemento explode em violência no último ato do filme, quando é revelado que o grupo Eden, David e Pruitt pertencem – The Invitation – é um culto que acredita que a maneira de criar a paz é através da morte. O restante do filme é uma luta desesperada pela sobrevivência entre anfitriões e convidados que deixa todos, exceto Will, Kira, Tommy e um Eden, fatalmente ferido, vivos. Depois de sair, aparentemente em segurança, o grupo descobre que o lanterna vermelha David (cujo ator Michiel Huisman não é estranho a tramas sombrias depois de interpretar Guerra dos Tronos’ Daario Naharis) aceso no início da noite é na verdade um poste de sinalização que confirma que uma festa de assassinato está acontecendo lá dentro. Enquanto os sobreviventes examinam as colinas de Los Angeles, eles são confrontados com a visão de dezenas de outras lanternas vermelhas até onde a vista alcança, indicando que o deles foi apenas um desses incidentes.

leitura  Por que Khonshu realmente escolheu Marc Spector para ser o Cavaleiro da Lua

Parte da razão pela qual esse final funciona tão bem é que, no momento em que a extensão do caos é revelada, o público assume que o perigo já passou. Os dois primeiros atos do filme são repletos de suspeita, desconfiança e desorientação. Diretor Karyn Kusama (que foi considerado para dirigir Telefone preto antes de Scott Derickson assumir o comando) aumenta a tensão literalmente deixando seu público dentro de casa junto com os personagens, mantendo uma sensação esmagadora de claustrofobia e incapacidade de escapar por quase todo o filme. Uma vez que a narrativa chega ao momento em que os personagens restantes tropeçam do lado de fora, há uma catarse inegável: personagens e público sobrevivem à tentativa de assassinato e saem do outro lado. Essa sensação de alívio, no entanto, é imediatamente prejudicada pela lenta revelação de lanternas vermelhas iluminando a escuridão, insinuando nefastamente a vasta conspiração que foi inicialmente considerada um incidente pequeno, contido e isolado.

A foto final do convite mostra que não há escapatória

A imagem breve e fugaz de um mar de luzes vermelhas na escuridão é imensamente perturbadora e incrivelmente poderosa. Não há necessidade de mais explicações ou desenlaces. A equipe criativa evita a tentação de revelar a extensão do dano ou as consequências em favor de terminar o filme com mais uma nota de incerteza. A viagem de O convite é uma das maiores mudanças de humor emocional: do desconforto da reunião inicial de Will e Eden (desempenhada notavelmente bem pela vencedora do Emmy Tammy Blanchard), à dor sufocante que se instala durante o jantar, à batalha claustrofóbica pela sobrevivência, todo o caminho até a revelação final do amplo impacto do culto. Com esta cena final, não há garantias para os personagens ou os telespectadores. Por pura virtude de sua contenção madura e do soco de pavor que ele carrega por toda parte, O convite é inequivocamente um dos maiores filmes de terror da última década, com o final sendo um grande contribuinte para o seu sucesso.

leitura  Boogeyman: Tudo o que sabemos sobre a adaptação de Stephen King

Como o final compensou o pavor da primeira metade

O convite 2015

O gênero de terror está em alta ultimamente. Apesar de O convite sendo lançado há apenas uma década, pode ser adicionado à lista de grandes filmes de terror recentes – e isso é por causa de seu final. A primeira metade do filme é repleta de uma sensação avassaladora de pavor e claustrofobia, juntamente com uma reunião estranha e dolorosa. Isso imediatamente define o tom para os eventos que estão prestes a se desenrolar. O horror de queima lenta (tematicamente construído sobre as fundações estabelecidas pelo diretor Ti West’s A casa do diabo entre outros) finalmente culmina com os fugitivos deixando a terrível situação, apenas para descobrir que o verdadeiro horror é que eles não foram os únicos. Esse final efetivamente compensa o pavor sentido na primeira metade do filme, cimentando na mente dos espectadores que eles não suportaram o ato de abertura altamente tenso por nada. As interações iniciais entre os personagens são assustadoras o suficiente para carregar O conviteO início sem violência de , que é finalmente recompensado no final visceral, quando as vítimas do culto descobrem que o que está acontecendo com elas está realmente acontecendo por toda a cidade. O convite 2015 leva as pessoas a uma gangorra de carnificina e tensão, culminando em um final fantástico que consolida seu merecido lugar como uma joia de terror moderna.

blank