10 Melhores Performances de Atores Não Profissionais | Discurso de tela

Lady Gaga se tornou mais conhecida por Uma estrela nasce e Casa da Gucci do que por sua discografia, deixando claro que uma boa atuação é uma boa atuação, independente da experiência profissional de atuação. Audrey Hepburn, um dos maiores atores de Hollywood, disse certa vez: “Nada é impossível porque a própria palavra diz: ‘Sou possível!'”, uma citação que destaca as performances incríveis de pessoas reais sem treinamento formal nas artes.

Não é apenas Lady Gaga que se tornou uma grande atriz – são lutadores, médicos e crianças na rua que acabam sendo usados ​​por diretores para tornar seus filmes mais autênticos. Alguns deles até são indicados (e ganham!) Oscars por suas atuações, provando que não é impossível atuar sem conhecimento do ofício.

Em 2013, Nicolas Cage estrelou um drama independente chamado João, retratando um ex-presidiário tentando fazer uma vida tranquila para si mesmo no deserto do Oregon envenenando árvores para uma empresa madeireira. Quando ele se torna um pai improvável para um adolescente em busca de trabalho, o pai do menino, um homem já malévolo acostumado a roubar o salário do filho e abusar fisicamente dele, está determinado a destruir a vida de ambos.

Para o papel do pai do menino, Wade Jones, o diretor David Gordon Green contratou Gary Poulter, um sem-teto de Austin, Texas. Poulter trouxe o tipo exato de autenticidade que o filme precisava, tendo vivido uma vida tão difícil quanto a de seu personagem. A capacidade de Poulter de oscilar entre peculiar, rancoroso e arrepiante, às vezes em uma única cena, é nada menos que hipnotizante. Ele morreu pouco antes João‘s, e Green dedicou o filme a ele.

A essa altura, todos estão familiarizados com o sucesso que os lutadores podem encontrar em Hollywood através das filmografias de Dwayne Johnson e Dave Bautista. Eles foram precedidos por Roderick Toombs aparecendo como o andarilho simplesmente conhecido como “Nada” em um dos melhores filmes de ação de ficção científica Elas Ao vivo, sobre um homem que descobre que certas pessoas comuns são na verdade alienígenas com a intenção de manter a raça humana dócil e complacente.

O que há de especial no desempenho de Piper é que, ao contrário dos lutadores mencionados, seu tamanho e condição física não são o foco de seu papel. Ele é um homem comum que pensa rápido, engenhoso, inteligente e não é tão impetuoso quanto sua personalidade de luta livre Rowdy.

Por mais versáteis que os atores sejam em se transformar em outras pessoas, às vezes as experiências vividas de uma pessoa não podem ser replicadas. Esse foi certamente o caso de escalar o Dr. Haing S. Ngor para interpretar o jornalista Dith Pran em Os Campos de Matança. Ngor realmente experimentou os verdadeiros campos de extermínio, provando que não há substituto para o verdadeiro negócio.

Ngor lembrou-se de quando o Khmer Vermelho matou alguém rotulado de intelectual durante a Guerra Civil Cambojana. De acordo com VICE, quando a esposa grávida de Ngor entrou em trabalho de parto enquanto eles estavam enterrados em um dos campos de extermínio, ele não pôde dar a ela a cesariana que teria salvado sua vida porque seu status de médico teria sido descoberto e teria que vigiá-la falecer. Por sua performance completamente crível, Ngor ganhou o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.

leitura  Os 10 melhores filmes de gângsteres dos anos 2000, segundo o IMDb

Imagine que em um minuto você está jogando futebol com seus amigos e, no minuto seguinte, está estrelando um filme ao lado de Idris Elba. De acordo com Indiewirefoi o que aconteceu com Abraham Attah, apenas um adolescente normal chutando uma bola de futebol quando um diretor de elenco de Bestas sem nação se aproximou dele sobre aparecer no filme.

Attah interpreta Agu, um menino da África Ocidental que se envolve na guerra civil e é forçado a se tornar uma criança-soldado. Forçado a fazer coisas verdadeiramente indescritíveis, a inocência de Agu é lentamente drenada a cada ato de atrocidade, uma metamorfose que seria um desafio para qualquer ator transmitir com sucesso, não importa um sem experiência de atuação.

Não é surpreendente que Picos Gêmeos, a série de mistério surreal do diretor provocativo David Lynch, apresenta um vilão que é o que os pesadelos são feitos. Mas a parte realmente surpreendente? Que ele é interpretado por Frank Silva que, até ser escolhido para o papel, era o cenógrafo da série.

Bob é a personificação da malevolência e, embora Silva não tenha muito a dizer, ele aproveita ao máximo seu rosto muito expressivo. Saber como se emocionar de forma eficaz, bem como contorcer seu corpo de maneira assombrosa, garantiu que Silva fizesse de Bob um personagem icônico e contribuísse para as cenas mais assustadoras da história. Picos gêmeos.

“Olhe para mim. Eu sou o capitão agora.” Com essa frase, Barkhad Abdi causou uma impressão indelével no público que assistia ao intenso thriller Capitão Phillips, a verdadeira história de como o capitão Richard Phillips foi feito refém por piratas no Chifre da África, liderados pela musa Abduwali de Abdi.

Apesar de não ter formação como ator, o ex-taxista consegue se dar bem em cenas tensas com Tom Hanks como Capitão Philips, trazendo uma confiança e intensidade que realmente vendem a ameaça dos piratas somalis. Por seu trabalho, Abdi foi indicado ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.

Feito em 1946, Os melhores anos de nossas vidas narra os diferentes problemas que três homens enfrentam após a Segunda Guerra Mundial enquanto tentam se reintegrar à vida civil, e um deles é interpretado pelo verdadeiro veterano Harold Russell. Embora não fosse incomum que atores de Hollywood dos anos 40 se juntassem à guerra como James Stewart ou Clark Gable, não era tão comum os veteranos irem para Hollywood.

leitura  10 personagens essenciais da Marvel Comics que não estrearam no MCU

Harold Russell interpreta Homer Parrish, que tem dificuldade em se ajustar à vida depois de perder as duas mãos. De acordo com ai credo, Russell perdeu as mãos em um acidente envolvendo TNT enquanto treinava pára-quedistas, e optou por ganchos em vez de próteses por causa de sua funcionalidade. Seu desempenho não apenas captura a vulnerabilidade e frustração de Parrish, mas também captura sua alegria pelos prazeres simples da vida pelos quais vale a pena lutar, e ele levou para casa o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.

No fascinante mistério Coração de trovão, baseado na investigação real do FBI de assassinatos em uma reserva de nativos americanos, Val Kilmer interpreta o agente Levoi, cuja herança Sioux o ajuda a ganhar a confiança de seu povo. Ele compartilha muitas cenas comoventes com o vovô Sam Reaches enquanto no caso, um ancião tribal interpretado pelo chefe Ted Thin Elk.

Thin Elk, Sicangu Lakota Sioux da Reserva Indígena Rosebud, nunca havia feito um filme até ser escalado aos 72 anos. Parecendo muito confortável na câmera com a quantidade certa de carisma enigmático para adicionar mística ao enredo do filme, ele pode não deixe de ser um ladrão de cena.

Em 1975, Jack Nicholson fez um pequeno filme chamado Um voou sobre o ninho do cuco, no qual ele interpreta McMurphy, um homem que procura evitar a prisão, sendo internado em um hospital psiquiátrico. Supervisionando sua avaliação está o Dr. Spivey, o chefe do hospital e o superintendente da vida real do Oregon State Hospital, onde o filme foi filmado.

A autenticidade da atuação de Dean Brooks faz do Dr. Spivey um dos melhores psiquiatras do cinema. Sua falta de experiência formal de atuação foi mais do que compensada por sua experiência em saúde mental, e ele escolheu entrevistar McMurphy como faria com qualquer paciente, resultando em uma cena de duas mãos de tour de force.

No início dos anos 90, o diretor Neil Jordan precisava encontrar a pessoa perfeita para interpretar a enigmática e hipnotizante Dil, uma jovem londrina cortejada por um combatente da liberdade do IRA após a morte de seu namorado soldado. Apesar de não ter experiência de atuação, Jaye Davidson foi escalado para O jogo do choroque ele descobriu era para o papel de uma mulher transgênero.

Hoje em dia, o elenco seria diferente, mas a atuação de Jaye Davidson foi a mais verdadeira possível, e Dil é um personagem resiliente, forte e encantador que lhe rendeu uma indicação de Melhor Ator Coadjuvante, a primeira pessoa negra britânica. ser nomeado.

Deixe comentário
×
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

Detectamos que você está usando extensões para bloquear anúncios. Ajude-nos desativando esses bloqueadores de anúncios.

Powered By
CHP Adblock Detector Plugin | Codehelppro