10 melhores jogos de terror que subvertem totalmente o gênero

No geral, 2022 foi um ano fantástico para jogos de terror. Com o novo DLC da Vila Resident Evilo macabro Desprezoquerida indie Pulmão de ferro, e o próximo O Protocolo Calisto, há toneladas de jogos de terror por aí para os fãs afundarem seus dentes. Com quantos existem, porém, alguns jogos de terror inevitavelmente ficam bizarros.

O terror sempre se interessou pelo design de jogos não convencional, mas alguns títulos subvertem ativamente as expectativas e os tropos do gênero para apresentar algo totalmente novo. Embora ir contra as expectativas possa tornar um jogo mais divisivo do que aquele que entrega exatamente o que é esperado, também faz com que certos projetos se destaquem e desenvolvam o status de cult-clássico.

Yume Nikki

Madotsuki e Uboa no jogo Yume Nikki.

Yume Nikki é um jogo de aventura de terror abstrato freeware focado em sonhos lúcidos. O jogador controla Madotsuki, uma reclusa que ficou abrigada em seu quarto por tanto tempo que seus sonhos começaram a parecer mais estranhos e reais. Não há nenhum “enredo” real para falar além de pequenas pistas de fundo e o objetivo de coletar 24 “efeitos” nas paisagens dos sonhos.

Yume Nikki é amplamente considerado um dos títulos mais influentes para RPGs surreais bizarros, ao lado de nomes como Terrestre. O jogo é uma subversão do gênero de jogos de terror, pois na verdade não tem um “objetivo” real. Não há sequer um enredo real. Yume Nikki não comunica nada ao jogador, nem espera que eles se envolvam na mesma moeda. É uma experiência surreal por completo e encapsula perfeitamente essa natureza anticlimática, mas totalmente aterrorizante, dos sonhos.

Bad Ben

Tom em Bad Ben andando por aí

Bad Ben é um jogo de filme de terror indie curto e breve, e essas palavras podem desanimar algumas pessoas. Eles podem estar esperando a mesma experiência antiga de Haunted House VR como A freira. Sua perda, como Bad Ben é tudo menos típico. Segue um velho rabugento consertando as câmeras de CCTV em sua nova casa e ficando muito chateado com todos os tropos de terror que estão sendo jogados em seu caminho.

Bad Ben tem sua língua firmemente em sua bochecha. O que o torna tão eficaz é que tudo o que acontece é padrão de jogo de terror. A única diferença é a total indiferença do protagonista Tom em relação a isso. Apesar de todas as coisas horríveis que ele experimenta e vê, o jogo ainda possui um botão de xingamento dedicado, que alivia imediatamente qualquer tensão que o jogador sinta. Rare é um jogo de terror que zomba ativamente do jogador por estar assustado e apresenta um protagonista que não fica tão faseado quanto deveria pelo ambiente.

Cidades Assombradas Vol. 4

Imagens do jogo Haunted Cities Volume 4

Cidades Assombradas Vol. 4 é a mais recente antologia da biblioteca do ícone do jogo de terror cult KittyHorrorShow, e é um resumo maravilhoso de sua visão subversiva sobre narrativa e horror. Essas quatro “cidades”, embora diferentes em narrativa e cenário, seguem os mesmos temas de dor, perda e obsessão. Muitos os descrevem como menos “jogos” e pesadelos pessoais mais desconfortáveis.

Todas as configurações são quase desprovidas de “vida”, e qualquer “vida” que existe é uma sombra da vibração a que as pessoas estão acostumadas no mundo real. A subversão vem na forma de suas meta-narrativas, com o jogo tratando as saídas como “visitas”. Sair do jogo não é uma conclusão, eles são simplesmente a próxima página de uma história cada vez mais perturbadora sobre solidão e desespero.

Criptografia

o logotipo do título para Inscryption na fonte de animais assustadores e um rosto.

Dos criadores de Ilha do Pônei, Criptografia é mais um jogo de terror subversivo, embora desta vez com um cenário significativamente mais ambicioso. Criptografia se passa na cabine de uma “coisa” misteriosa (e assassina) que quer jogar cartas com seu cativo: o jogador. O jogador deve ganhar esses jogos de cartas, caso contrário, o jogo acaba para eles em mais de uma maneira. Os jogos de cartas certamente não são padrão em jogos de terror, e a centralização Criptografia em torno deles faz sobressair.

Entre esses jogos de cartas, o jogador deve explorar a cabine e encontrar uma saída se quiser evitar uma eternidade de tortura através de segmentos de salas de fuga roguelike. Existem tantas subversões na narrativa e na mecânica do jogo, mas do jeito que está, estragaria a experiência estragar qualquer uma delas. Tudo o que precisa ser conhecido é que é um jogo bem diferente de qualquer outro videogame por aí.

Eternal Darkness: Sanity’s Requiem

O logotipo Requiem da Eternal Darkness Sanity acima de uma paisagem escura e abstrata.

Eternal Darkness: Sanity’s Requiem é um jogo de terror de ação e aventura que tem a surpreendente honra de ser o primeiro videogame com classificação M que a Nintendo já publicou. Segue a história de treze pessoas ao longo da história que se envolveram com poderes sobrenaturais e pagaram o preço por isso. A característica mais importante do jogo no que diz respeito ao terror é o medidor de “Sanidade”.

Sempre que um jogador encontra um horror sobrenatural, sua sanidade diminui. Se ficar baixo o suficiente, o jogo começa a mexer com o próprio jogador, estragando a interface do usuário e desligando o controle em certos pontos. Isso quebra as noções preconcebidas dos jogadores de que eles estão a salvo da mecânica de gaslighting do jogo simplesmente porque estão no mundo “real”.

Clube de Literatura Doki Doki

O logotipo e os personagens do Doki Doki Literature Club.

Clube de Literatura Doki Doki começa como um romance visual médio de nível médio, completo com música otimista e tropos de anime de harém pelos baldes. Ele ainda permanece assim por um período surpreendentemente longo da jogabilidade. Claro, uma vez que o outro sapato cai, o jogo assume uma atmosfera decididamente menos “moe”, o que deixou muitos jogadores na época em choque total.

Clube de Literatura Doki Doki subverte o gênero dando ao jogador uma ilusão de “escolha”. É implacável em atacar o jogador por sua “experiência” percebida no gênero, evitando cruelmente todos os tropos que o atormentam. Nos jogos de terror, as escolhas são muitas vezes uma questão de vida ou morte, mas em Clube de Literatura Doki Doki, o horror vem de como os jogadores nem sequer têm o luxo de uma escolha. Além do mais, o jogo também joga com os limites do que pode ser interagido em um jogo e exige que os jogadores, literalmente, pensem fora da caixa.

Patológico

Fora da prefeitura em Pathologic.

Patológico é um jogo de aventura e terror psicológico de sobrevivência ambientado no meio de uma cidade de lugar nenhum. A história segue três “curandeiros” que têm suas próprias motivações estranhas e trágicas para decidir ajudar na epidemia bizarra que assola a cidade. Mais do que isso seria muito difícil de explicar, pois o jogo se delicia em confundir o jogador narrativamente e no jogo.

Patológico ri na cara do design de jogo convencional e muitas vezes força o jogador a fazer escolhas pouco ortodoxas para progredir. Noções de moralidade e clareza mental são deixadas na porta neste jogo de terror bizarro. Não só isso, o jogo é subversivo em virtude de ser tão obtuso e sem graça que faz os jogadores questionarem se vale a pena jogar. Ironicamente, isso se encaixa perfeitamente nos temas do jogo de desesperança e trabalho inútil para atrasar o inevitável.

GARAGEM: Bad Dream Adventure

cartaz de garagem uma aventura de sonho ruim

GARAGEM: Bad Dream Adventure é um jogo de terror indie japonês absurdamente obscuro lançado em 1999. Na verdade, é tão obscuro que apenas 3.000 cópias físicas são conhecidas. Não foi até julho de 2022 que o jogo foi oficialmente lançado no Steam, e confundiu as mentes daqueles que tiveram a sorte de tropeçar nele.

O jogo é estrelado por um robô de aparência viciada chamado Yan, que explora um mundo perturbadoramente industrial cheio de sujeira e horror corporal mecânico. É subversivo no sentido de que nem mesmo se trata como um jogo de terror, já que, segundo todas as contas, este é apenas um mundo normal para Yan. Embora eles possam não se lembrar de como era sua vida, eles não se mostram angustiados com o mundo ao seu redor. Não é um mundo estranho. É o mundo deles.

Verme Perfeito

Verme Perfeito
Uma captura de tela do jogo de terror gratuito Perfect Vermin.

Verme Perfeito é um jogo de terror indie com uma premissa muito pouco ortodoxa. O jogador recebe uma marreta e a tarefa de destruir objetos para encontrar os “vermes” escondidos dentro. Logo, é revelado que os “vermes” estão se escondendo como objetos do cotidiano, e eles explodir em gêiseres de vísceras ao ser golpeado com o martelo.

À medida que o jogador realiza suas tarefas, um repórter os repreende por seus esforços, e seus relatórios ficam cada vez mais desequilibrados. O horror corporal de Verme Perfeito é essencialmente Videodromo atende Caça de acessórios, com alguns temas incrivelmente pesados ​​por toda parte. É uma experiência muito curta, e a subversão do jogo é um grande spoiler. Só sei que assim como os objetos inanimados escondem tripas terríveis, o jogo também esconde seu verdadeiro significado.

LSD: Emulador de Sonhos

Captura de tela do LSD Dream Emulator

LSD: Emulador de Sonhos é um videogame da era PS1 que realmente não pode ser colocado em nenhum tipo de caixa. Não há objetivos, história ou mesmo consistência. O jogo gera aleatoriamente ambientes de sonho a cada jogada, para que dois jogadores nunca tenham a mesma experiência. A propósito, LSD não representa a droga, mas sim Lindos sonhos doces. As pessoas que acham o jogo amável ou doce têm almas mais corajosas do que a maioria.

A própria existência do jogo é uma subversão de basicamente todas as convenções de jogos, como esperado de alguém como Osamu Sato.Até Yume Nikki deu aos jogadores escolhas em quais reinos eles queriam explorar e coisas para coletar. LSD: Emulador de Sonhos é flagrante em quão pouco se importa em ser um videogame “real”, chegando a ter seus níveis completamente aleatórios. Em um momento, os jogadores podem estar em uma bela montanha e, no próximo, estão sendo perseguidos por um Homem Cinzento em uma cidade abandonada. É um jogo que é melhor experimentado do que contado.