10 filmes que foram surpreendentes adaptações de outra propriedade

Houve um tempo em que Hollywood estava cheia de adaptações convencionais, que iam de épicos bíblicos a filmes baseados em romances clássicos. Mas na era de hoje, há muito espaço para criatividade e reinterpretação. Basta olhar para o sucesso do Hulu deste ano Ilha do Fogouma adaptação moderna de Janes Austen Orgulho e Preconceito que se concentra em um grupo de amigos gays em vez de uma família de alta classe vitoriana.

Além de autores clássicos como Jane Austen ou Charles Dickens, as peças de Shakespeare têm sido um grande sucesso em tomadas cinematográficas tão pouco convencionais. E às vezes, se os cineastas e escritores estiverem com vontade de explorar águas mais aventureiras, eles podem até confiar na mitologia clássica ou em uma escritura como a Bíblia.

10/10 Fire Island (2022) – Orgulho e Preconceito

Transmitir no Hulu

Os personagens principais de Fire Island se abraçando

Ao longo dos anos, a novela Orgulho e Preconceito passou por uma evolução divertida. Existem as adaptações usuais com precisão de período e depois há a versão moderna de rom-com (Diário de Bridget Jones), a versão musical de Bollywood (Noiva e preconceito), e até mesmo um com zumbis (Orgulho e Preconceito vs Zumbis).

Ilha do Fogo continua essa tradição de atualizações modernas da literatura clássica, focando em um grupo de amigos LGBTQ+ explorando o amor e a amizade durante as férias anuais. Os conceitos austenianos de classismo e amor duro são explorados com o protagonista carismático de Joel Kim Booster como Elizabeth Bennett, o complicado Conrad Ricamora sendo o Sr. Darcy, e assim por diante.

10/09 10 coisas que eu odeio em você (1999) – A Megera Domada

Transmita no Disney+

Heath Ledger e Julia Stiles sentados em um balanço em 10 coisas que eu odeio em você

Uma das peças menos conhecidas do Bardo, A Megera Domada trata de uma particularmente rude e mesquinha que se encanta por um pretendente que recorre a truques psicológicos para impressioná-la e transformá-la em uma “esposa obediente”.

Obviamente, os tons sexistas da peça da era vitoriana de Shakespeare não se traduziriam bem para o público da nova era. Assim, uma alternativa mais adequada à comédia teatral é 10 coisas que eu odeio em você, uma comédia romântica colegial que serve como uma das adaptações de tela de Shakespeare mais não convencionais. Julia Stiles faz o papel da Megera enquanto o falecido Heath Ledger aparece como seu amante encantadoramente irritante. Uma subtrama envolvendo a irmã do protagonista e suas próprias lutas com o amor apimenta ainda mais as coisas.

8/10 O irmão, onde estás? (2000) – A Odisseia

Transmissão no canal Roku

Nelson no meio enquanto os guardas da prisão olham em O Brother Where Art Thou

Poema épico de Homero Ilíada e seu cerco particular de Tróia foram imortalizados em vários épicos de época ao longo dos anos, o estrelado por Brad Pitt Troy sendo o maior exemplo deste século. Mas o épico seguinte de Homero, o Odisseianão foi focado tanto.

A narrativa trata principalmente da jornada do rei Ulisses quando ele volta para casa após a Guerra de Tróia. As provações que ele enfrenta no caminho incluem um ciclope, sirenes e muitas outras monstruosidades. Um dos filmes mais engraçados dos irmãos Coen encontra a dupla adaptando este épico com os personagens, três prisioneiros da década de 1930 fugindo no sul dos Estados Unidos, encontrando personalidades excêntricas comparáveis ​​às criaturas da mitologia grega. Enquanto O irmão, onde estás é uma adaptação livre de OdisseiaJoel e Ethan Coen ganharam uma indicação ao Oscar de Melhor Roteiro Adaptado.

7/10 Ad Astra (2019) – Coração das Trevas

Transmita na DIRECTV

Brad Pitt olhando de lado, usando um capacete de astronauta no Ad Astra

Mesmo que o escritor/diretor James Gray não tenha declarado explicitamente que seu drama espacial Ad Astra é uma adaptação da novela de Joseph Conrad Coração de escuridãohá um consenso unânime entre a crítica e o público de que ambos têm semelhanças temáticas, sendo o deserto do Congo substituído pela solidão do espaço profundo.

Francis Ford Coppola Apocalipse agora tem sido uma adaptação mais direta com o antagonista de Marlon Brando ainda mantendo o nome Kurtz. Mas desta vez, o protagonista de Brad Pitt e o arquétipo ‘Kurtz’ de Tommy Lee Jones têm uma conexão mais profunda, pois estão conectados pelo sangue. É mais difícil para o personagem de Pitt sobreviver em todos os momentos e, eventualmente, matar o comandante espacial desonesto, pois ele é seu pai. Ad Astra tenta capturar essa turbulência interna do personagem em uma versão bem disfarçada (ou melhor, coincidente) do livro de Conrad.

10/06 Sem noção (1995) – Emma

Transmita na DIRECTV

Dionne e Cher lado a lado em sua escola em Clueless.

A recente adaptação precisa do romance de Emma estrelado por Anya Taylor-Joy pode ter recebido elogios, mas Sem noção continua a ter relevância mesmo anos após seu lançamento. Muito parecido com o que 10 coisas que eu odeio em você fez com a peça de Shakespeare, Sem noção faz o mesmo com Emma de Jane Austen.

Assim como os outros romances que Austen escreveu, Emma explora as nuances e absurdos da sociedade de alta classe, juntamente com uma dose saudável de triângulos amorosos. Sem noção faz o mesmo, mas com uma abordagem rom-com atrevida. Enquanto a maioria das adaptações de Jane Austen seriam elogiadas por seus vestidos arcaicos, Sem noçãoAs roupas de (particularmente as de Alicia Silverstone e Stacey Dash) influenciaram significativamente as tendências da moda da época.

5/10 Mãe! (2017) – A Bíblia

Transmitir no Prime Video

Cartaz do filme Mãe com Jennifer Lawrence

Daren Aronofsky não é o único a fugir de influências. Cenas de Requiem para um sonho teve influências de filmes de anime como Azul Perfeito. Cisne Negro inspirou-se no teatro musical europeu, enquanto Noé era praticamente uma adaptação direta da história do personagem do Antigo Testamento.

Depois, há o de Aronofsky Mãe, um horror psicológico que reinterpreta grandes eventos das escrituras, desde o violento conflito entre Caim e Abel até o nascimento de Jesus. Aliado a alusões à natureza e à destruição ambiental, Mãe é, em última análise, um relógio difícil, mas recompensador (e bastante controverso).

4/10 A matança de um cervo sagrado (2017) – Ifigênia em Aulis

Transmitir no horário do show

Barry Keoghan no médico em The Killing Of A Sacred Deer (2017)

Desde que um importante cardiocirurgião se torna amigo de um adolescente, a escuridão recai sobre os membros de sua família, que começam a adoecer um por um. Embora o título deste thriller psicológico pareça ameaçador no início, tudo começa a fazer sentido quando o público sabe mais sobre o material de origem.

Acontece que A Matança do Cervo Sagrado é uma adaptação indireta da tragédia grega Ifigênia em Áulis por Eurípides. O personagem de Colin Farrell é representante do rei grego Agamenon, que foi levado a tais limites para vencer a Guerra de Tróia que até decidiu sacrificar sua própria filha Ifigênia aos deuses. Esse conceito de devoção e sacrifício familiar é desenvolvido de maneira mórbida e detalhada no filme de Yorgos Lanthimos.

3/10 Autoestrada (1996) – Chapeuzinho Vermelho

Transmitir no Kanopy

Bob segura Vanessa assustada na Freeway

Muitas vezes considerado como uma das melhores adaptações de contos de fadas para adultos, auto-estrada retoma o conto de fadas europeu comum de Chapeuzinho Vermelho (versões das quais foram escritas pelos Irmãos Grimm, bem como por Charles Perrault) e o coloca em um mundo perturbadoramente real.

Em vez do lobo mau, a protagonista de Reese Witherspoon está sendo perseguida por um serial killer assustador interpretado por Keifer Sutherland. Junto com as atuações principais, auto-estrada é um must-watch por sua sátira mordaz e inesperadamente madura em um conto de fadas infantil. Por causa de quão realista é a premissa do filme, um conto de fadas inofensivo como esse não sairia como um primeiro pensamento.

2/10 Escócia, PA (2001) – Macbeth

Transmitir no Prime Video

Christopher Walken com uma cenoura na boca na Escócia, PA

Macbeth, uma das maiores tragédias de Shakespeare, é uma peça digna de reinterpretações para os temas universais de ganância e violência que aborda. No caso de Escócia PAa história trata do embate entre restaurantes de fast food.

Quando um funcionário de uma lanchonete sem ambição (chamado de tudo de McBeth) é atraído para matar seus rivais por sua esposa intrigante, um ciclo de violência começa, levando a uma boa comédia sombria que deixaria até o Bardo orgulhoso. A adaptação é tão interessante que até as Três Bruxas são substituídas por Três Hippies. Os fãs obstinados de Shakespeare podem pegar as referências desde o início, mas para os leigos, a adaptação seria uma surpresa sombria e agradável.

1/10 Adaptação (2002) – The Orchid Thief

Transmita no HBO Max

Meryl Streep olhando de lado em Adaptation Cropped

Os filmes de Charlie Kaufman são tão meta quanto possível e Adaptação é um excelente exemplo disso. O filme que lida com um caso extremo de bloqueio de escritor na verdade surgiu das próprias lutas de Kaufman enquanto ele tentava adaptar o livro de não-ficção O ladrão de orquídeas por Susan Orleans.

Como se provou uma tarefa hercúlea, ele acabou escrevendo uma meta-narrativa de Nicolas Cage interpretando-o com algumas cenas cortando os escritos reais de Orleans (com Meryl Streep interpretando Orleans) e suas investigações para revelar contrabando ilegal de flores raras como orquídeas. Claro, Kaufman jogou alguns elementos dramatizados, como um ângulo de amor entre ela e o caçador, mas as cenas com o livro ‘infilmável’ no contexto da trama surreal deixam os espectadores intrigados se o filme é de fato uma adaptação do livro ou não.